O Menino que florescia

Vicente Calaveiras é um menino diferente dos outros, incomum. Em noites de lua cheia brotam flores de seu corpo; ele gosta de ir à escola para ler e pensar, mas os colegas o deixam de lado por causa de seu jeito "estranho". Angelina del Valle é uma menina

incomum também, mas ao contrário de Vicente ela é aceita pelos colegas. Um dia os dois se encontram e esse encontro muda completamente suas histórias. Será que eles são iguais ou diferentes?... Um livro excelente para ler devagar, degustando cada frase cheia de encanto e delicadeza, onde os diálogos

expressam uma relação cuidadosa, de respeito, sem qualquer banalidade, que levanta discussões importantes, pois toca em questões que fazem parte do nosso cotidiano, como intolerância, preconceito, aceitação... A imaginação e a magia presentes na história nos remetem ao contos maravilhosos, gênero de tradição oral. "Algumas pessoas passariam mal e cairiam de cama se por acaso florescessem — mas não Vicente.” O livro é rico também, pois há intertextualidade entre ele e o conto Cinderela. Neles se reconhecem a utilização de elementos parecidos, como os sapatinhos e o baile, e as mesmas estruturas formais. É o sapatinho feito por Vicente de forma artesanal que torna possível Angelina ir ao baile, dançar... Cabe pontuar que o livro desestrutura os papéis comumente impostos de meninos e meninas. A flor, a sensibilidade, no livro está ligada a ele; o sapato, a força e segurança, a ela. É Angelina quem o defende do olhar preconceituoso dos amigos. No entanto, o que importa não é a diferença ou até mesmo as semelhanças entre eles, o que importa é o encontro e toda a beleza e dor que pode surgir dessa sincera união. A ilustração do livro é a cereja do bolo. A história se conta nas imagens e através das imagens. É possível sentir a narrativa apenas lendo-a visualmente. Os traços harmônicos de cores vivas, porém suaves, nos acolhe em cada página, como se estivéssemos diante de um quadro, que nos convida a contemplar e a mergulhar em uma linda história de amor.


11 visualizações0 comentário